O poeta e a poesia

Um poeta sentado e atento
Uma savana calma e serena
Um livro, uma palavra,
Uma poesia

Uma treva longa 
Que no seu silêncio afoga 
Com a caneta na mão, 
Descreve o universo.

Na cabeça desse pobre poeta 
As letras se atrevem a fecundar.
Na alma desse inocente ser
A poesia celebra a vontade de ser.

Bissau, 15/08

Melancolia

É triste abraçar uma 
lembrança e sentir 
que não cheira mais a vida!

Como é triste olhar para 
um velho livro e viver a sensação de
que nele, as letras não morram mais! 

Sim é triste!
Ver o corpo e saber que
nele a alma não brilha mais 
E jamais!

Janeiro, 2021

TALVEZ

Talvez o povo concorde que o talvez 
Continue como talvez 
Esteja enquanto o Valdez constrói o Palácio 
Feito de madeira e concreto!

Como disse: Talvez o povo concorde!
Talvez não entendam o quão valdez 
É urgente, concreto e simbólico 
Mas como disse: Talvez não entendam.

O Valdez estava no quintal do Nunez 
A beliscar a madeira do pai de outrem 
Talvez queira somar os pontos para roubar 
A poltrona e enfiar a cabeça. Talvez!

O Nunez viu-o com a madeira na mão 
A bater noutra madeira, mas não lhe disse nada 
Talvez essa madeira seja útil para o Nunez 
No formoso Palácio de madeira. Talvez…

Se o Valdez soubesse que Nunez 
Era inútil, talvez o dispensasse da primeira vez 
Mas Nunez sabe jogar a moda Valdez 
São da mesma escola? Talvez. 

Se um dia o povo acordar 
E parar de amedrontar. Talvez 
O Nunez e Valdez não façam mais parte desse jogo de xadrez. 

Talvez o Berlin não seja mais útil 
E não ser chamado mais de Nar. 
É possível me aceitarem como parte desse chão? Talvez!

A tal vez que lhe chamei de Nania, talvez 
Não me tinha escutado.
Talvez não me queira responder.
Mas a teria discriminado! É surdez?!

O Virgílio disse-me a surdez não era o caso
Talvez seja ignorância e estupidez! 
Chamar alguém de Nania e Nar é palidez 
Não façam mais isso, ouviram? Talvez

Bacar Banora

Abubacar Banora, sob o pseudónimo Bacar Banora, nasceu em 2001 na cidade de Bissau, Guiné-Bissau. Autor, poeta e ativista político. Pertence ao grupo virtual “Clube de Poetas Vivos – Sunhus Sukundidu” e também faz parte de outros clubes, tais como “Clube de Leitura – Amor a Leitura”. É Agente de Saúde Comunitária, em regime de voluntariado, trabalhando na redução da mortalidade materna e infantil. Em julho deste ano representou a Guiné-Bissau no Campeonato de África de Slam Poetry (CASP Afrique).

#001